24

Artigos_01.08

Para que serve a arte na educação?

Por Ana Mae Barbosa

 

Para possibilitar o acesso à Cultura e para tornar as pessoas mais inteligentes. Vejamos a primeira afirmação. Em um país como o Brasil onde a arte é pouco divulgada (com exceção da música popular e do cinema) de que forma um cidadão pode desfrutar de seu direito de acesso à cultura? Não só é pouco divulgada como, em geral, quando é divulgada isso é feito em linguagem hermética.


A internet tem democratizado o acesso a museus e exposições e tem dado visibilidade a trabalhos de muitos artistas, mas ainda não confere reconhecimento ao artista. Para alguém ser reconhecido como artista é necessário participar de exposições em museus, bienais, galerias, sair na Bravo, etc. Enfim, ser abençoado por algum curador. É com os curadores que está o poder de designar alguém como artista. A maioria deles é homem, vem das classes altas e é agente nacional do código hegemônico europeu e norte-americano branco. Quantas mulheres já foram curadoras da Bienal? Rigorosamente, duas que quiseram inovar, fizeram um trabalho coerente com suas teorias e foram massacradas pelos críticos homens.


A administração das Artes vive nas trevas no Brasil. Novamente meu termômetro é a Bienal de São Paulo, em que foi reeleito um presidente depois de surgirem dúvidas sobre seu procedimento ético. Quem elegeu foi um conselho de ricos, pois o Conselho da Bienal se transformou em escada social para novos ricos, ou melhor, um meio de aparecerem na Revista Caras. A proposta curatorial salvadora da próxima Bienal é isomórfica: um retorno, fora de lugar, ao conceitualismo movido por oportunismo. Tudo isto com dinheiro do Governo, o meu e o seu imposto, porque os ricos do Conselho não abrem a bolsinha. O que já tem sido feito para melhorar o acesso à arte para a grande massa? E o que ainda pode ser feito? Nos últimos anos, os museus, centros culturais e mega-exposições têm se preocupado em criar departamentos educacionais, contratando educadores para facilitar a mediação entre Arte e Público. A qualidade é variável e o empenho também. Muitas vezes, o educativo existe na instituição para trazer público, para inflar a estatística, para mostrar ao patrocinador que numerosas pessoas viram a exposição. Em geral, reside aí o empenho em trazer levas de escolares às Bienais de Arte e do Livro.


Outras instituições realmente se interessam em dar acesso à Arte a todas as classes sociais. Quando dirigi o MAC/USP fui criticada por dar ênfase ao educativo quando só o Museu Lasar Segall e o próprio MAC investiam na Arte/Educação. O trabalho foi tão frutífero que operou uma transformação no ensino da Arte nas escolas de todo o Brasil e trouxe a imagem da Arte para a sala de aula. A ampliação do educativo das instituições de Arte, a pesquisa para verificar os resultados da ação, a análise e sistematização a partir de publicações são iniciativas que ajudariam na descoberta de outras possibilidades. Principalmente, nos ajudariam a analisar que tipo de mediação praticamos nos muitos museus do Brasil, e com que conceitos de cultura estamos operando.


Queremos convencer que os valores da burguesia são verdades imutáveis ou queremos que cada pessoa, independente do grupo cultural a que pertence, seja capaz de formular valores estéticos? Somos convencionais, populistas, messiânicos ou construtores de significados? Há de tudo isto nos educativos de museus e centros culturais no Brasil e há excelentes trabalhos que constroem diálogos entre a Arte, a Cultura e a Subjetividade dos observadores. Um país só pode ser considerado culturalmente desenvolvido se tiver uma produção de alta qualidade e uma compreensão desta produção também de alta qualidade. No Brasil, precisamos democratizar a compreensão da Arte e da Cultura.


Resta-me agora argumentar que a Arte torna a pessoa mais inteligente. Para isto recorrerei à consistente metapesquisa de James Catterrall, Critical Links: Learning in the Arts and Student Social and Academic Development. O pesquisador da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, examinou mais de 60 pesquisas acerca da contribuição das Artes para a educação de crianças de cinco anos até a adolescência. O maior número de estudos se refere à contribuição da música, seguido pelo teatro. Infelizmente, Catterrall encontrou apenas quatro estudos demonstrando a importância das Artes Visuais para o desenvolvimento da capacidade de aprender outras disciplinas. Foi no campo de investigações sobre o raciocínio espacial que Catterrall encontrou quase 300 estudos científicos nos quais podemos nos basear para defender a idéia de que as Artes Visuais desenvolvem o raciocínio espacial e, a partir dele, também desenvolvem habilidades específicas para ler, escrever e falar a linguagem verbal.


Precisamos de mais pesquisas em relação ao papel das Artes Visuais na qualidade da performance acadêmica dos alunos. A grande ênfase na importância do ensino das artes para o desenvolvimento dos processos de cognição – não só em Arte mas em todas as áreas de conhecimento – se deve aos resultados de uma pesquisa norte-americana que mostrou que, por uma década, os alunos que obtiveram os dez primeiros lugares nos exames equivalentes ao ENEM no Brasil haviam cursado pelo menos duas disciplinas de Arte. Enquanto nos Estados Unidos, os alunos do ensino médio escolhem as disciplinas que vão cursar, no Brasil não há liberdade de escolha e o currículo parece prescrição médica. Portanto, nem se poderia fazer uma pesquisa destas por aqui. A pesquisa americana despertou o interesse dos pesquisadores em demonstrar as possibilidades de transferência de aprendizagem, quando a Arte é aprendida mobilizando-se processos cognitivos, da imaginação ao planejamento.


A pesquisa Artes Visuais : da exposição à sala de aula comprova que os professores que buscam os museus e centro culturais como laboratórios de pesquisa visual para seus alunos o fazem sabendo da importância da Arte para o desenvolvimento dos processos cognitivos em geral. Foi esta convicção que os levou a conseguir adesão dos colegas de história, português, matemática, informática para trabalhar interdisciplinarmente a partir das Artes Visuais. Eles reafirmaram a eficiência da Arte para desenvolver formas sutis de pensar, diferenciar, comparar, generalizar, interpretar, conceber possibilidades, construir, formular hipóteses e decifrar metáforas.


Rudolf Arnheim foi um dos expoentes da idéia de Arte para o desenvolvimento da Cognição. Sua concepção se baseia na equivalência configuracional entre percepção e cognição. Para ele perceber é conhecer. Ulric Neisser e Nelson Goodman colaboraram com esta visão. Arrisco a afirmar que o Projeto ZERO que Goodman iniciou e financiou pessoalmente foi a maior fonte de pesquisas sobre a Cognição em Arte e a Cognição através da Arte. Arte depende de julgamento e obriga a poucas regras que precisam ser conhecidas antes de se ousar desafiá-las. Estas regras são para Arnheim a gramática visual subjacente a todas as operações envolvidas na cognição como recepção, estocagem e processamento de informação, percepção sensorial, memória, pensamento, aprendizagem, etc. Acusado de formalista no início dos anos oitenta, na efervescência do Pós-Modernismo, Arnheim vem sendo recuperado pelos cognitivistas pois sua gramática visual não se comprazia apenas na forma, mas derivava de uma negociação contextual mental e se dirigia ao contexto perceptual.


A princípio, se trabalhava a percepção desta gramática visual só a partir da percepção do mundo fenomênico. Nos anos 80, precisamente a partir de 1983 (Festival de Inverno de Campos do Jordão), o esforço cognitivo de apreender a imagem da Arte ampliou o campo de ação do ensino da Arte, da percepção visual, da interpretação da linguagem visual a partir da cultura que a produziu. A imagem produzida por artistas entrou na escola para ampliar o sentido cognitivo da Arte. Cognição é o processo pelo qual o organismo se torna consciente de seu meio ambiente. A Educação promovida pelas ONGs democráticas, de gestão comunitária, nos alertam acerca da importância da arte para a tolerância à ambigüidade e a exploração de múltiplos sentidos e significações.


Esta dubiedade da Arte a torna valiosa na Educação. Arte não tem certo e errado. Tem o mais ou o menos adequado, o mais ou o menos significativo, o mais ou o menos inventivo. Nós todos que trabalhamos com Arte seriamos menos inteligentes se estivéssemos longe Dela.


Ana Mae Barbosa é Professora Titular aposentada da USP, onde atua no Doutorado em Arte/Educação na ECA. Mae também é consultora do Canal Futura e da área de Formação da Petrobrás Cultural. Foi presidente da International Society of Education through Art (90-93) e Diretora do Museu de Arte Contemporânea da USP (87-93). Publicou 19 livros sobre Arte e Arte/Educacão, entre eles Arte/Educação Contemporânea (Cortez, 2006) e Artes Visuais : da exposição à sala de aula (com Rejane Coutinho e Heloisa M Sales .EDUSP, 2005). E recebeu prêmios como o Grande Prêmio de Crítica da APCA e o prêmio Edwin Ziegfeld nos Estados Unidos.

 



 

 
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Loading ... Loading ...
Comentários > 19 Compartilhe
 

19 Respostas para “Para que serve a arte na educação?”

  1. Jaqueline Biliu Amorim Braz disse:

    Estou concluindo minha especialização em Arte/Educação pela UNESP de Presidente Prudente (SP) e minha maior dificuldade tem cido encontrar material especifico que fale sobre o Tema: Arte/Educação. Acredito que isso vem comprovar tudo que tenho lido a respeito, escrito pela própria Ana MAe, a qual merece meu respeito. Os próprios profissionais da area da educação ainda não estão conscientes quanto a impotanacia do trabalho de artes (no aspecto geral) para sua fundamental contribuição para o desenvolvomento do ser humano antes de tudo, que dirá para o aluno quanto cidadão! Não desecobriam ainda que a subjetividade contida em cada um depende do estimulo recebido no decorrer de sua vida. A acensão finamceira não vem acompanhad de cultura, se isso não conquistado através do conhecimento. Ou seja, Ana Mae tem razão quando se refere a burguesia. Parcer que ainda vivemos na época da colonia. Esta no hora de mudar esse quadro! Acredito que o melhor veiculo para contribuir com isso ainda é a escola, ou melhor o professor preperado em sala de aula. Incuntindo na criança o prazer de ter contato com artes.

  2. Jaqueline Biliu Amorim Braz disse:

    A arte na escola deveria fazer parte do curriculo com a mesma importancia que tem a lingua portuguesa e a matemática.

  3. Jaqueline Biliu Amorim Braz disse:

    Estou concluindo minha especialização em Arte/Educação pela UNESP de Presidente Prudente (SP) e minha maior dificuldade tem cido encontrar material especifico que fale sobre o Tema: Arte/Educação. Acredito que isso vem comprovar tudo que tenho lido a respeito, escrito pela própria Ana MAe, a qual merece meu respeito. Os próprios profissionais da area da educação ainda não estão conscientes quanto a impotanacia do trabalho de artes (no aspecto geral) para sua fundamental contribuição para o desenvolvomento do ser humano antes de tudo, que dirá para o aluno quanto cidadão! Não desecobriam ainda que a a arte na escola serve para trabalhar asubjetividade contida em cada um, depende do estimulo recebido no decorrer de sua vida. A acensão finamceira não vem acompanhad de cultura, se isso não conquistado através do conhecimento. Ou seja, Ana Mae tem razão quando se refere a burguesia. Parcer que ainda vivemos na época da colonia. Esta no hora de mudar esse quadro! Acredito que o melhor veiculo para contribuir com isso ainda é a escola, ou melhor o professor preperado em sala de aula. Incuntindo na criança o prazer de ter contato com artes.

    A arte na escola deveria fazer parte do curriculo com a mesma importancia que tem a lingua portuguesa e a matemática.

    Deixe um comentário

  4. Ednaldo Britto disse:

    Penso que a resposta para a questão “Para que serve a arte na educação?” precisa, necessariamente, considerar o contexto no qual a arte e a educação estejam sendo pensadas. Se nos propomos a refletir sobre estes dois conceitos aqui no Brasil, não podemos esquecer que estamos no segundo país economicamente mais injusto do planeta. Nossa injustiça só não consegue superar o terror de Bangladesh na Ásia. Aqui apenas 4% da população tem acesso a produção cultural. Aqui, segundo o Instituto de Pesquisa Aplicada (IPEA) os 10% mais ricos ainda concentram 73,4 % da renda nacional. Diante de tal realidade, sem o cinismo e a demagogia dos que vivem das injustiças, não podemos chegar a outras conclusões: A arte na educação brasileira deve servir, sobretudo, para mudar esta vergonhosa realidade!

    Ednaldo Britto
    Belém / Pa

  5. Patricia Benevides disse:

    Acredito que enquanto a arte no Brasil não for devidamente valorizada, dificilmente sairemos do nível inicial, ou seja, se a escola não conseguir “contagiar” os educadores a compreender para que serve a arte na educação, ficaremos no mesmo lugar. A realidade atual está nas salas de aula, com professores mal remunerados, sem perspectiva de um futuro melhor, por isso sem ânimo para estudar muito sobre a arte e sua importância na vida das pessoas. Como se não bastasse a influência masculina contrapondo-se a sensibilidade feminina. A arte é beleza, criação, prazer, como dizia Frei Betto, no seu livro “Fome de pão e de beleza”, arte é essencial ao ser humano.
    Patricia Benevides
    Recife/PE

  6. gostei mas gostaria que colocase coisa novas

  7. A arte na educação tem uma missão que está amadurecendo. Falo isso como desenhista e professor de história. Creio e defendo que a produção artística dos alunos não deveria ficar a cargo exclusivo da disciplina de Artes, e creio que meus colegas dessa disciplina concordem comigo. Caso a arte no Brasil ainda seja seletiva em eventos, o fato não se trata apenas de acesso, mas de democratização da cultura e da arte. A arte deve ser aplicada na escola como disciplinas a serem acrescentadas, e ai sim muito bem aproveitadas. além disso, é nesse espaço, na internet, que artístas dos mais variados seguimentos encontram oportunidade e força para derrubar a arte escolhida a dedo e provocar a opinião de massa.

  8. Julia Martins disse:

    EU amo arte pois com aprendemos várias coisas sobre a cultura da nossa região e de outras regiões também!!

  9. mariana aparecida disse:

    eu amo ,muitoo arte

  10. rose disse:

    eu acho que arte é tudo o que se expressa sentimentos.Não só as coisas bonitas ,mas tambem as coisas feias.

  11. rose disse:

    arte serve para nos fazer parte de uma sociedade que vive em harmonia com todos

  12. deise disse:

    A arte serve para nos ajudar a libertar a pureza da alma e o alto atral de nossa vida!!!

  13. Paola disse:

    Usei este site aqui para concluir minha pesquisa de escola… site ótima com uma linguagem perfeita…. sempre que precisar voltarei aqui para ganhar ajuda do site… nota 10!

  14. Anônimo disse:

    Que idiotice! Pura perda de tempo.

  15. jean disse:

    olha isso é meio chato mas tambem nao é tao chato assim ajente pode ficar mais inteligentes do que nos somos e podemos ser mais criativos com projetos

  16. MERCIA GAMA disse:

    Arte é tudo. Arte salva, edifica vidas, restaura esperança de viver. Arte transforma o olhar para com tudo que esta a nossa volta. Na educação ela é fantástica, ela está em tudo , pois veio antes da ciência, mas tem que caminhar de mãos dadas com a ciência. Arte é conhecimento.

  17. Valdir Medeiros disse:

    Jaqueline Biliu: não se escreve “cido”… utilize o verbo no presente (vem a ser, ou é).Ou simplesmente SIDO (minha maior dificuldade tem sido… ou minha maior dificuldade é encontrar…) abç!

  18. a arte e importante tanben como portugues e matematica

  19. jane disse:

    este artigo é muito importante para mi que estou construindo minha monografia sobre artes visuais na educação infantil. tenho lido alguns artigos e percebi que é pouquíssimo trabalhado este tema nas escolas, sendo que as artes visuais estão muito mecanizadas onde os desenhos das crianças ainda são mimeografados e todos iguais. sucumbindo da criança o direito de criar, e construir sua própria arte. Eu diria que falta muito , para a arte ser vista com algo a contribuir para a educação e desenvolvimento das crianças, sendo que continua a ser vista como mero passa tempo.

Deixe uma resposta


 

 



Licença Creative Commons

O conteúdo da página "Para que serve a arte na educação?", disponibilizado no website Acesso, o blog da democratização cultural está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.