06

Notícias, Projeto Referência_11.14

Projeto apoia educação musical no Brasil

Por Blog Acesso

 

O Brasil de Tuhu teve início em 2009, inspirado pela Lei 11.769 de 2008, que tornou obrigatória a educação musical nas escolas brasileiras. Como um dos precursores do ensino de música no país, Heitor Villa-Lobos é outra fonte de inspiração para o projeto, que homenageia o maestro pegando emprestado seu apelido de infância, Tuhu – quando menino, Villa-Lobos gostava de imitar o apito dos trens.

Essas duas motivações foram trabalhadas num formato que dialoga com os públicos do projeto por meio de referências do nosso imaginário. Acreditamos que unir cultura e educação gera resultados transformadores”, diz Paula Brandão, diretora da Baluarte Cultura, idealizadora do projeto.

Apoiado em suas duas primeiras edições pelo Instituto Votorantim, o Brasil de Tuhu passou, ao longo de seis anos de atividade, por mais de 30 municípios brasileiros e alcançou mais de 10 mil crianças. O projeto, que a princípio dedicava-se à realização de concertos didáticos na rede pública de ensino, começou, em 2011, a produzir videoaulas de diversos instrumentos musicais e, em 2012, a oferecer, também, suporte para a formação de educadores musicais.

Atualmente, o Brasil de Tuhu é um amplo programa de educação musical, com diferentes ações que atendem a públicos diversos. Por sua trajetória, o projeto foi indicado à semifinal do Prêmio Brasil Criativo, iniciativa do Ministério da Cultura – MinC para o reconhecimento de projetos na área da economia criativa brasileira. Nesta fase do prêmio, o público pode votar nos projetos por meio deste link.

Blog Acesso – Como teve início o programa Brasil de Tuhu?

Paula Brandão – O projeto nasceu a partir do Guia Prático, coletânea de 137 arranjos criados por Heitor Villa-Lobos para a música folclórica brasileira. Villa-Lobos acreditava que se todos estudassem música nas escolas, contribuiríamos para transformá-la numa vivência cotidiana, formando um público sensibilizado com as manifestações artísticas. No Brasil de Tuhu, também tentamos desconstruir a fronteira entre a música de concerto e a popular, além de buscar formas de trabalhar a música aliada à acessibilidade.

O Brasil de Tuhu é um programa de realização orgânica. É a partir de sua própria realização que as atividades vão sendo desenhadas, que buscamos novas formas de interagir com os diferentes públicos do programa. O que começou com a itinerância de concertos didáticos, em 2009, é hoje um programa amplo: plataforma online de conteúdos didáticos, concertos, vivência para educadores e o primeiro aplicativo de musicalização infantil com repertório 100% brasileiro, que será lançado em março de 2015.

Blog Acesso – Como você sintetizaria para o leitor a importância da educação musical nas escolas?

P. B. – A música é comprovadamente benéfica para o desenvolvimento cognitivo, especialmente na infância. Trabalhar com educação musical é contribuir para a formação de cidadãos mais críticos e responsáveis, pois a música permite que sejam realizadas atividades que desenvolvem competências e habilidades musicais, autoconfiança, autoestima e sociabilidade. Além disso, o ensino da música faz com que as crianças tenham maior capacidade de comunicação, atenção e memória – o que acaba por gerar um efeito positivo no desempenho escolar. Aqui, no Brasil, um estudo do departamento de psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo – Unifesp, feito em parceria com o Instituto ABCD, também concluiu que crianças e adolescentes que tiveram a oportunidade de receber aulas de música leem de forma mais fluente e tiram melhores notas em matemática. Não acredito que a música seja importante apenas por propiciar melhorias em outras esferas da aprendizagem, mas também, e especialmente, por trazer a possibilidade de outra forma de construção de conhecimento individual e em grupo. Por meio da música, a criança muitas vezes expressa emoções que não consegue expressar com palavras.

Nessa perspectiva, creio que a musicalização – a coordenação motora, o senso rítmico e melódico, o pulso interno, a voz, o movimento corporal, a percepção, a notação musical –, para além do efetivo ensino de música –  tocar o instrumento, ler a partitura –, seja de grande contribuição para a formação crítica. E, aliada a um repertório que atinja os universos erudito, folclórico e popular, a musicalização promove uma sensibilização ampla acerca da música. A musicalidade está dentro da pessoa.

Blog Acesso – Para você, quais os principais desafios para a plena implementação da educação musical nas escolas brasileiras?

P. B. – Creio que o primeiro grande desafio seja o entendimento do benefício da educação musical para a formação de uma nova geração. De nada adianta termos uma lei regulando a obrigatoriedade de conteúdos musicais no currículo escolar se os gestores não forem conscientes da causa. É função dos estados e dos municípios o cumprimento da lei e estes deveriam desenvolver e contribuir para a implementação de programas pedagógicos para o ensino de música. A situação que temos, hoje, é a de escolas encontrando inúmeras dificuldades para contemplar a música como parte do conteúdo curricular. Os motivos são muitos, mas destaco a falta de professores qualificados e de recursos materiais como os mais latentes.

Blog Acesso – Seria importante, então, investir na capacitação dos professores?

P. B. – Capacitar educadores para o desenvolvimento de atividades que dialoguem com a realidade dos alunos é, na minha visão, fundamental para colhermos bons resultados. Acredito, ainda, que devemos trabalhar com uma perspectiva antropológica, envolvendo o contexto sociocultural dos alunos para que o ensino de música não fique desligado de suas realidades, mas igualmente preocupados com a ampliação de referenciais e com a multiplicidade de olhares. Buscar revelar a diversidade do Brasil e valorizar nossa riqueza cultural são objetivos de grande importância neste processo.

Blog Acesso – Quais as principais atividades promovidas pelo programa?

P. B. – Sensibilizar crianças e capacitar educadores. Assim, acreditamos conseguir contribuir para a educação musical no país. O Brasil de Tuhu, a cada edição, abraça novos desafios para incrementar esse ciclo e efetivar a música como elemento de transformação social. O projeto cujas atividades são gratuitas já beneficiou diretamente mais de 10 mil crianças, em 35 municípios brasileiros, sempre privilegiando localidades em que o acesso à cultura é mais escasso. Recentemente, incorporamos o tema "Música e Acessibilidade" como bandeira do projeto e já estamos produzindo as primeiras videoaulas acessíveis, com audiodescrição e intérprete de Libras, que serão lançadas em 2015.

Blog Acesso – E quais os próximos passos?

P. B. – Para o próximo ano, teremos novidades como o lançamento do aplicativo de musicalização infantil e a gravação de um CD com temas do Guia Prático para uso em sala de aula. Além da continuidade dos concertos didáticos em escolas, novas videoaulas acessíveis, edições bimensais da nossa Revista Tuhu com temas pertinentes ao universo da educação musical, playlists bimensais na Rádio Tuhu para motivar atividades em sala de aula e ampliar referenciais, vivências para capacitação de educadores sobre práticas de musicalização e a nova edição de nosso Guia Musical, com atividades para a sala de aula. Buscamos sempre ouvir e receber sugestões dos participantes das nossas atividades. É assim que estamos conseguindo ampliar, a cada ano, nossa atuação, contribuindo para preencher as lacunas que, infelizmente, ainda encontramos no universo da educação musical brasileira.

Bernardo Vianna/ Blog Acesso

 

 
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Loading ... Loading ...
Comentário > 0 Compartilhe
 

Deixe uma resposta


 

 



Licença Creative Commons

O conteúdo da página "Projeto apoia educação musical no Brasil", disponibilizado no website Acesso, o blog da democratização cultural está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.